Terça, 19 de Janeiro de 2021 14:07
43 99806-1289
PARANÁ FIM DO AUXÍLIO

Economia do Paraná 'perde' R$ 7,8 bilhões com fim do auxílio emergencial

Pagamento do auxílio emergencial amenizou a situação econômica, mas seu fim gera temor

05/01/2021 09h33
Por: Redação Portal Ibaiti Fonte: Bem Paraná/Rodolfo Luis Kowalski
Foto: Franklin de Freitas
Foto: Franklin de Freitas

O ano de 2020 foi marcado por crises em cadeia. Com a crise sanitária que se instalou por conta da pandemia do novo coronavírus, teve início também uma crise econômica, com inevitáveis reflexos no âmbito social. Com o auxílio emergencial, inicialmente no valor de R$ 600 e depois de R$ 300, grande parte desses impactos sociais e econômicos da pandemia foram amenizados. Mas aí chegou 2021 e o auxílio chegou ao fim. E agora?

No Paraná, conforme dados do Portal da Transparência da Controladoria-Geral da União (CGU), o auxílio emergencial beneficiou mais de 3,2 milhões de pessoas, o equivalente a 30,7% da população do estado. Ao todo, foram injetados R$ 7.898 bilhões na economia, com o pagamento médio de R$ 2.463,03 no ano para cada favorecido. Só em Curitiba foram 467.995 beneficiários (26,71% da população), com o pagamento total de R$ 1,096 bilhão em auxílio.

Para se ter noção do que esses valores representam, o montante pago à população paranaense por meio do auxílio emergencial é quase quatro vezes superior ao pago aos idosos que tem direito ao BPC (228.588 pessoas, que receberam um total de R$ 2,211 bilhões no ano passado) e quase 13 vezes superior ao valor injetado na economia com o Bolsa Família (R$ 620,06 milhões, com 411.413 beneficiários no Paraná).

Sem esse dinheiro entrando, com o fim do auxílio emergencial, e a pandemia persistindo, o que virá a seguir?
Economista e professor da Universidade Positivo (UP), José Pio Martins explica que o Brasil é como uma máquina, um agrande sistema econômico operado por todos os brasileiros em condição de trabalhar. Antes da pandemia, eram 106 milhões de pessoas, das quais 13 milhões estavam no setor estatal, que não demitiu ninguém nem reduziu salários, mesmo com a chegada do novo coronavírus. Entre os que dependem do setor privado, contudo, houve perda de renda e aumento do desemprego e da subocupação.

“Essa máquina de produzir foi afetada, grande parte dos trabalhadores ficou sem renda, ficou ociosa. Com o auxílio emergencial, essas pessoas mantiveram condição de continuar consumindo e isso evitou uma catástrofe social, mantendo o consumo familiar, que é a aquisição alimentos, medicamentos, roupas, água, energia”, explica o economista

No momento em que acaba o auxílio, aponta ainda o professor Pio, seria necessário uma recuperação rápida da atividade econômica. “A máquina tem de ser religada”, comenta. Mas aí vem um problema: quando a população estará imunizada contra a Covid-19? Afinal, será só depois disso que a retomada plena da atividade econômica será possível.

‘O certo era retirar só quando começasse a vacinação em massa’
Se a atividade econômica só será retomada em sua plenitude com a imunização de boa parte população e um abrandamento significativo da pandemia, o ideal, defende Pio Martins, era que o auxílio emergencial fosse pago ao menos até o momento em que começasse a vacinação em massa.

“Digamos que isso [vacinação] vem na metade de fevereiro. Os vacinados podem voltar [a trabalhar normalmente] e os que não foram vacinados também, porque irão conviver com os imunizados, que não transmitem a doença. É lamentável, é um problema [o fim do auxílio emergencial]. Parece um valor pequeno R$ 600 por pessoa, mas é um valor que sustenta pelo menos a compra de alimentos, a pessoa não passa fome completa”, afirma.

Ainda segundo o professor Pio, a retomada depende que a sociedade tenha coragem de sair de casa e ir para o trabalho. Mas essa coragem só virá com a vacina. “A retomada é necessária e tem de ser rápida, mas depende de um aspecto que é a perda do medo”, diz.

Ciclo da soja pode amenizar impactos no Paraná
No caso paranaense, aponta ainda Pio Martins, um fato que pode amenizar o impacto do fim do auxílio emergencial é o ciclo da soja. Isso porque os meses de fevereiro e março são de colheita do produto, cuja cultura possui garnde relevância no Paraná. “Isso mobiliza não só a colheira, mas toda a cadeia, com transporte, armazenagem, cooperativa, os portos e as estradas. Então o Paraná tem essa característica, que pode amenizar”.

Por outro lado, o perigo é que, com o fim do auxílio, a parcela da população que ficou sem renda ou viu cair ainda mais o rendimento seja obrigada a retomar precocemente a “normalidade”, o que poderia ter impactos dramáticos para o enfrentamento da pandemia. “O auxílio sendo cortado, a pessoa corre risco na volta ao trabalho. A população pode começar a desobedecer [os protocolos sanitários] não só para fazer festa, mas para trabalhar”, comenta o economista.

Ibaiti - PR
Atualizado às 13h48 - Fonte: Climatempo
24°
Muitas nuvens

Mín. 19° Máx. 25°

24° Sensação
4 km/h Vento
82% Umidade do ar
90% (15mm) Chance de chuva
Amanhã (20/01)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 18° Máx. 26°

Sol com muitas nuvens e chuva
Quinta (21/01)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 18° Máx. 28°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.